terça-feira, 31 de agosto de 2010

Meus es(quadro)s, com(passo)s e transferi(dor)es

Bem, seguindo com as gravações...

Tenho andado bem abusadinho, hehe. Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes, Carmen Silvia Presotto e, agora, Adriana Calcanhotto. Adoro desafios. Para mim é uma honra e um prazer ouvir o que surge da junção desses poetas com o meu interpretar. Não vou voltar ao Narciso mas, tenho adorado, cada vez mais, o som da minha voz e as possibilidades de vida que ela produz, vida independente, que diz a que veio.
Nessa postagem eu trago "Esquadros" de Adriana Calcanhotto. Aprendi a admirá-la e, confesso, adoro o seu cantar nessa música, foi o que mais me estimulou. Contudo, no falar, a poesia se comunicava comigo de forma diferente, um mixto de emoções expostas aqui.
Claro, como sempre, quem está com o microfone diante de si, tem a chance de expressar suas impressões, ou mesmo ante um simples e atento ouvido. Curioso é que sempre gostei de ouvir as pessoas, sempre me permiti esse cuidado com o outro, coisa rara hoje em dia, uma lástima!. Nem poesia param para ler e ouvir hoje em dia.
Por isto desejo sucesso a Dona Maria com suas apresentações no Rio: "Bethânia e as Palavras" - certamente será maravilhoso! Um espetáculo onde ela interpreta textos de diversos autores e cantarola um pouquinho, como a própria disse no 'Sem Censura' de 27/08/2010. A quem puder e interessar, aproveite a dica, valerá a pena, certamente.

Agora eu:

14 comentários:

Marcio Nicolau disse...

Adriana compõe em QUADROS, Saulo, utilizando-se de tintas "de Frida Kahlo, cores". Além disso, fala de uma percepção como a que vc propõe aqui: a cada PASSO "prestando atenção no que meu irmão ouve", uma delicadeza rara, como você disse. E adoro também a idéia de "chegar antes pra sinalizar o estar de cada coisa", pois tem a ver com os cuidados sobre os quais você fala, esta preocupação com o outro. Algo como uma apropriação da DOR alheia, uma transferência, por compaixão. "Chorando ao telefone", "vendo doer a fome dos meninos que tem fome". Percebe que você enxergou intuitivamente algumas chaves do sensível poema da Adriana?
Palavras falam sempre ao coração.

Pérola Anjos disse...

Eu ando pelo mundo, eu corro pelo mundo, eu passeio pelo, eu voo pelo mundo e é tão bonito quando encontro outro mundo, outros mundos e eles vêm repletos de coisas belas e suaves e sensíveis!

Como a tua voz, por exemplo, a voz de rouxinol da Calcanhoto, a voz que arrepia até a alma da Bethânia... (suspiros)

Beijos!

Pérola Anjos disse...

A voz de rouxinol da *Calcanhotto

carmen silvia presotto disse...

O Olhar, para mim, é a moldura da arte, tua voz a moldura de amor que toca o coração, esquadros do viver... um beijo grande Saulo Querido, parabéns e que alegria e honra ser citada por ti, gracias!!!


Carmen Silvia Presotto
www.vidraguas.com.br

RAFAEL disse...

olha só...é o primeiro blog falado que visito...interessante.

Acho que não conseguiria falar para as pessoas como vc, não me sinto bem ouvindo minha voz...rs. Talvez seja um dos pontos de ser ator.

muito bom seu blog.

Abração...


Ps.: um dia ainda verei Bethânia no Rio...

Athila Goyaz disse...

Gostei da empolgação na hora do refrão, não tem como né? hehe
Olha, muito bom.Gosto sempre de passar aqui pra te ouvir.
Recitando Calcanhotto então, demais!
Abraços!

Anna K. Lacerda disse...

Adoro o que Adriana belamente escreve. E suspiro quando minha Bethânia surge com aquela voz de sedatrovão e me encanta. Me canta sem pudor!

Beijos

* Âmbar e Uns Versos, ambas de Adriana, cantadas por Bethânia, me levam a melhor das loucuras!

Valdeir Almeida disse...

Saulo,

Gostei da sua performance . É muito difícil interpretar de forma não musicalizada uma canção. Sobretudo quando é da Calcanhoto.

Eu, como professor, tentei fazer isso, mas não obtive sucesso (rsrs).

Gostei também quando você, durante a performance, cantou.

Parabéns.

Abração, Saulo, e ótima quinta-feira.

Patrícia Gonçalves disse...

OI, até descobri de onde sai o som do computador, virei o laptop e procurei em todas as saídas, mas mesmo assim, não consigo ouvir. Somente ouço seu murmurar, se lhe agrada, seu murmurar é lindo! rsrsr

beijo grande!

António Rosa disse...

Amo esta ideia de ouvir a voz do dono do blogue, ainda por cima com escolhas tão significativas. Adoro a Calcanhoto e gosto muito da sua voz, uma ferramenta importante para quem é locutor e ator.

Na próxima semana este seu blogue terá um destaque no meu 'Cova do urso'. Depois aviso.

Beijão.

Athila Goyaz disse...

hehe aqueles são só poemas, mas até dá pra musicar... oNproblema é musicar! HEUEHUEHUE

Universo Paralelo em Versos disse...

Saulo Adriana é lindo seu cantar seu poetar tive oportunidade de assistir dois shows dela fica para sempre no coração.... tenho tudo dela cds dvds...enfim....amo muito o seu trabalho...
Maria bethânia eu sou fã dela desde que me conheço por gente....não preciso te dizer que tenho tudo dela também.... nunca consegui ver um show dela sei que causa sentimentos inusitados , nos álbuns já é uma loucura imagina ver ao vivo um espetáculo dela...
e finalizando tem como sintonizar a tua rádio via internet?
no momento estou longe... muito longe do Brasil.....
abraços bom fim de semana... obrigado pelas visitas no meu cantinho... para mim isto não tem preço.....abração!

Lua Nova disse...

Cada narração, novos sentimentos vêm à tona, novas sensações são experimentadas, eu acredito, por vc e por nós que o ouvimos. Suas escolhas são irrepreensíveis e sua narração... bem, eu gosto muito.
Fico sempre imaginando como será a próxima...
Que venha logo.
Beijokas, Saulo.

aluisio martins disse...

belissima interpretação...
deu o peso que as palavras talvez precisavam sem as melodias que alegram e disfarçam a grandeza da solidão de poeta. Gostei muito
abs