sábado, 16 de outubro de 2010

Blog Action Day em riacho.

Meus amigos, essa postagem era pra ter acontecido ontem, que foi o dia do Blog Action Day 2010 WATER. Embora atrasado - pois estava viajando desde quarta e só cheguei hoje - decidi postar pois é um movimento importante.
O texto "Eu e o Riacho", de Adilson Costa, foi retirado do site: http://sitedepoesias.com/poesias/34113
Aproveitem e pensem sobre o maior bem que temos - e o Brasil o tem em abundância.

Beijos.
Ouça: 

22 comentários:

Luna Sanchez disse...

E não é que é? Nessa mistura que vai acontecendo ao longo da vida, podemos ficar sujos, poluídos, contaminados...mais do que nunca precisamos de fonte de água pura para limpar isso tudo.

Beijos, moço!

ℓυηα

Maria Rita disse...

E assim entre o bom e o ruim nossas escolhas nos fazem "água pura" [ou não].

Adoro visitar-te moço!

Beijos pra Ti

Athila Goyaz disse...

Poema ecológico e humano.
"Nós inchamos e somos ainda mais pequenos"

Você esta a cada dia melhor, adorei o tempo curto entre as pausas e sua voz impecável, parabéns...!

Eu e a michele P. declamamos um poema juntos heehe, passa lá depois pra conferir!
Bju

Ira Buscacio disse...

Saulo,

Somos engolidos pelo mar dessa civilização de egos. Há de se cuidar para não sermos contaminados.
Perfeita a declamação, respiração.

Bjocas, meu lindão

Marcio Nicolau disse...

Hey, o que foi aquele comentário no InterTextual, heim? Emocionante!

Pena não poder ouví-lo aqui agora, mas amanhã vou conferir tua voz fluente feito riacho e acho que não vou me decepcionar. Aliás, tenho certeza.

Até lá.

Marcio Nicolau disse...

fui lá conferir a poesia. Um grito em defesa d'água! Acertou em cheio, Saulo.

Paulo Francisco disse...

Água-homem; homem-natureza; tudo interligado, tudo um só. Texto maravilhoso. Bela interpretação. Parabéns! Deixo, abaixo, um texto antigo que fala de um outro momento da água:

Cabeça d´agua

Chega arrastando tudo
Espumando pelas beiras
Sai da frente!
Ela quer passar!
Não toma conhecimento
Leva o que é belo
Mata o que é feto
(Em segundos)
Tudo fica estéril,
Tudo fica cinza.
Passa roncando
Passa feroz
Passa imponente...
Passa de repente
Arrasta,
Atropela
(Quem quer ficar)
E como veio
Vai embora
Sem anunciar

Lua Nova disse...

Dizer o quê? Bárbaro! To com saudades...
Beijokas.

Universo Paralelo em Versos disse...

Este texto MARAVILHOSO lembrou me muito o film Koyaanisqatsi de 1982
que inicia com as imagens mais belas da natureza e termina com as mais terríveis imagens que o homem conseguiu fazer do seu habitat... e o texto nasce com um filete de água que é exposta ao sol e brilha, assim deveria ser a nossa consciência coletiva, mas o texto mostra que a luz tão óbvia simplesmente "é" e poucos tem noção que ela pode ser extinguida tudo é tão intenso e tão frágil. Saulo você escolheu uma obra prima poética, filosófica e espiritual, resultando uma interpretação com toda a Magnificência de uma apresentação surpreendente dando vida intensa deixando sublimes reflexões e na respiração o suspense do drama da vida do EU que segue o leito do riacho. este texto é para se ouvir muitas vezes.... cada vez que se ouvir muitas aguas terão passado e muitos ângulos irão ser percebidos...

António Rosa disse...

Belíssimo poema. E são tão necessárias: a água e a poesia.

Valdeir Almeida disse...

O ser humano é não é tão racional conmo proclama ser. Destroi a natureza esquecendo-se que está destruindo a si mesmo.

Abração, meu amigo, e ótima semana pra você.

Lua Nova disse...

Oi, querido. Passe no Chocolate que tem lá um carinho pra vc. É uma homenagem e espero que goste.
Beijokas.

carmen silvia presotto disse...

Hey, Saulo Querido, que belo poema... um rio sempre sempre vai dar no mar, mas até isso acontecer, agora temos em tua voz um deságue da importância deste caminho.

Um beijo carinhoso, parabéns, o Partitura está cada vez melhor.

Silviah Carvalho disse...

Passei para visitar e conhecer seu blog, muito bom mesmo, gostei muito, já sigo, se puder visite meu blog.Tudo de bom.

http://umcoracaoqueama.blogspot.com

Flor da Vida disse...

Amigo, vim te deixar um abraço e meu carinho... Receba-os, é de coração... Bjsss

Pérola Anjos disse...

É o efeito dominó, destruimos a natureza, destruimos a nós mesmos; E o planeta água vai ganhando cada vez mais outro tom, vai perdendo o tom azul, vai ficando cinza e nós vamos desbotando...

Muito lindo e muito pertinente, de arrepiar mesmo!

Parabéns mais uma vez pela escolha e pela emoção amplificada pela sua linda voz!

Beijo doce!

Márcio Vandré disse...

E esse riacho, nobre Saulo, é a vida.
O mar é a morte. A unificação é a perda da identidade, o início do esquecimento.
Bela escolha.
Um abraço.

Inside Me disse...

o ser humano é um troço complicado, aff.
amei seu blog e sua visita, muitoobrigada viu moço, bjs no coração e volte sempre, estarei aki tb ^^

Carol Morais disse...

O melhor da água cristalina, suave e delicada, é o seu crescimento que, gradualmente sai arrastando tudo. Tua voz deu essa sensação...tudo que cresce, na verdade incha e sai arrastando tudo e fica cada vez mais forte!

Lindo!

Sandra Botelho disse...

Um planeta azul que se torna cinza e cinzas...
Bjos achocolatados

Marcio Nicolau disse...

você me parece levado pela correnteza e no, fim, engoLido pelo mar. Tua leitura produz, cada vez mais, sensações.

carmen silvia presotto disse...

Hey, gostei de todo o simbólico encontrado aqui, gostei do novo visual... um beijo, dois beijos!

Carmen